Morandi é oficializado pré candidato a prefeito em Candói

O diretório municipal do PRB de Candói, oficializou esta semana a pré candidatura a prefeito do Município. Jeferson Morandi, atual vice-prefeito e presidente do partido na cidade, foi indicado como pré candidato para disputar as eleições em outubro próximo.

De acordo com Morandi, a indicação do partido foi baseada na sua trajetória pública em Candói. “Por cerca de 16 anos atuei na Câmara de Vereadores e nos últimos três anos e meio participo da administração municipal. Implantamos um novo sistema administrativo e que tem trazido muitos benefícios para a população. Acreditamos que este trabalho deve ter continuidade e estou preparado para isso”, afirma Morandi.

De acordo com o pré candidato, os contatos com os partidos que compõem a base da atual administração serão intensificados a partir de agora. “Nós temos um ótimo grupo, composto por pessoas capacitadas. Vários nomes estão prontos para disputar as eleições e estamos nos colocando à disposição, como uma das opções do grupo. Estamos intensificando o contato com os demais partidos e com as lideranças para levar nossa proposta e projeto de governo. A união do nosso grupo é fundamental para as eleições de outubro próximo”, conclui.

Fonte: redesuldenoticias

Luiz Bertoldo acompanha obras em Ponta Grossa

O vereador Luiz Bertoldo, líder do PRB na cidade de Ponta Grossa, cumpre o seu dever de fiscalizador junto ao Poder Executivo Municipal.

Bertoldo visita semanalmente o andamento das obras inicias pela Prefeitura em diversos bairros da cidade. Além de acompanhar o processo, o vereador conversa com os moradores da região e verifica as reais necessidades da localidade, e através de encaminhamentos, buscar os reparos necessários.

Na visita mais recente, o parlamentar presenciou o inicio das obras de revitalização no campo do bairro Shangri-lá e região do contorno.

3 3.1

Confira as principais datas previstas no calendário eleitoral do pleito deste ano

O calendário das Eleições Municipais 2016, aprovado pelo Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em novembro do ano passado, incorpora as modificações introduzidas pela Lei 13.165, aprovada pelo Congresso Nacional em 29 de setembro de 2015. O calendário contém as datas do processo eleitoral a serem respeitadas por partidos políticos, candidatos, eleitores e pela própria Justiça Eleitoral.

Conforme o previsto na Constituição Federal, a eleição será no dia 2 de outubro, em primeiro turno, e no dia 30 de outubro, nos municípios onde houver segundo turno. Os eleitores vão eleger os prefeitos, vice-prefeitos e vereadores dos municípios brasileiros.

Filiação partidária

Quem quiser concorrer aos cargos eletivos deste ano deve se filiar a um partido político até o dia 2 de abril de 2016, ou seja, seis meses antes da data das eleições.

Convenções partidárias

As convenções para a escolha dos candidatos pelos partidos e a deliberação sobre coligações devem ocorrer de 20 de julho a 5 de agosto de 2016.

Registro de candidatos

Os pedidos de registro de candidatos devem ser apresentados pelos partidos políticos e coligações ao respectivo cartório eleitoral até às 19h do dia 15 de agosto de 2016.

Propaganda eleitoral

A campanha eleitoral foi reduzida de 90 para 45 dias, começando em 16 de agosto. O período de propaganda dos candidatos no rádio e na TV também foi diminuído de 45 para 35 dias, tendo início em 26 de agosto, em primeiro turno.

Teste público de segurança

O dia 31 de março é o prazo final para o TSE realizar o teste público de segurança do sistema eletrônico de votação, apuração, transmissão e recebimento de arquivos que serão utilizados nas eleições. As datas definidas para a realização do teste são os dias 8, 9 e 10 de março de 2016.

Campanhas institucionais

A partir do dia 1º de abril, o TSE deverá promover em até cinco minutos diários, contínuos ou não, requisitados às emissoras de rádio e televisão, propaganda institucional destinada a incentivar a participação feminina na política, além de esclarecer os cidadãos sobre as regras e o funcionamento do sistema eleitoral brasileiro.

Remuneração de servidores

A partir de 5 de abril, 180 dias antes das eleições, até a posse dos eleitos, é vedado aos agentes públicos fazer, na circunscrição do pleito, revisão geral da remuneração dos servidores públicos que exceda a recomposição da perda de seu poder aquisitivo ao longo do ano da eleição.

Retirada e transferência de título

O dia 4 de maio é a data limite para o eleitor requerer inscrição eleitoral ou transferência de domicílio. Também é o último dia para o eleitor que mudou de residência dentro do município pedir alteração no seu título eleitoral e para o eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida solicitar sua transferência para Seção Eleitoral Especial.

Programas de comunicação

A partir do dia 30 de junho fica vedado às emissoras de rádio e de televisão transmitir programa apresentado ou comentado por pré-candidato, sob pena, no caso de sua escolha na convenção partidária, de imposição de multa e de cancelamento do registro da candidatura.

Propaganda partidária

Já a partir do dia 1º de julho não será veiculada a propaganda partidária gratuita prevista na Lei dos Partidos Políticos (Lei 9.096/1995) nem será permitido nenhum tipo de propaganda política paga no rádio e na televisão.

Condutas vedadas

Três meses antes das eleições, a partir do dia 2 de julho, os agentes públicos ficam proibidos das seguintes condutas:

– Nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, remover, transferir ou exonerar servidor público, ressalvados os casos de: nomeação ou exoneração de cargos em comissão e designação ou dispensa de funções de confiança; nomeação para cargos do poder Judiciário, do Ministério Público, dos Tribunais ou Conselhos de Contas e dos órgãos da Presidência da República; nomeação dos aprovados em concursos públicos homologados até 2 de julho de 2016; nomeação ou contratação necessária à instalação ou ao funcionamento inadiável de serviços públicos essenciais, com prévia e expressa autorização do chefe do Poder Executivo; transferência ou remoção de militares, de policiais civis e de agentes penitenciário;

– realizar transferência voluntária de recursos da União aos estados e municípios e dos estados aos municípios, ressalvados os recursos destinados a cumprir obrigação formal preexistente para execução de obra ou de serviço em andamento e com cronograma prefixado e os destinados a atender situações de emergência e de calamidade pública.

Também a partir dessa data é vedado aos agentes públicos das esferas administrativas cujos cargos estejam em disputa na eleição:

– com exceção da propaganda de produtos e serviços que tenham concorrência no mercado, autorizar publicidade institucional dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos municipais ou das respectivas entidades da administração indireta, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública, assim reconhecida pela Justiça Eleitoral;

– fazer pronunciamento em cadeia de rádio e de televisão, fora do horário eleitoral gratuito, salvo quando, a critério da Justiça Eleitoral, tratar-se de matéria urgente, relevante e característica das funções de governo.

Ainda é vedada a realização de inaugurações, a contratação de shows artísticos pagos com recursos públicos e o comparecimento de qualquer candidato a inaugurações de obras públicas.

Emissoras de rádio e TV

A partir do dia 6 de agosto as emissoras de rádio e de televisão não poderão veicular em programação normal e em noticiário, ainda que sob a forma de entrevista jornalística, imagens de realização de pesquisa ou de qualquer outro tipo de consulta popular de natureza eleitoral em que seja possível identificar o entrevistado ou em que haja manipulação de dados; veicular propaganda política ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, seus órgãos ou representantes; dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação.

Comício e sonorização

A partir do 16 de agosto, quando começa a propaganda eleitoral os candidatos, os partidos ou as coligações podem fazer funcionar, das 8 às 22 horas, alto-falantes ou amplificadores de som, nas suas sedes ou em veículos. Também os partidos políticos e as coligações poderão realizar comícios e utilizar aparelhagem de sonorização fixa, das 8 às 24 horas, podendo o horário ser prorrogado por mais duas horas quando se tratar de comício de encerramento de campanha.

Internet

Também a partir de 16 de agosto começará o prazo para a propaganda eleitoral na internet, sendo vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda paga.

Confira aqui a íntegra do Calendário Eleitoral das Eleições de 2016.

 

Fonte: TSE

I Encontro de Presidente Municipais PRB Paraná

O Partido Republicano Brasileiro do Estado do Paraná, realizou nesse sábado (13), o 1ª Encontro de Presidentes Municipais do estado, reunindo mais de metade da Executivas Municipais, bem como, seus presidentes e membros.

O Encontro foi pautado na importância de unidade partidária e também teve como tema central as eleições de 2016, onde o partido se encontra mobilizado para cumprir as metas já estabelecidas nacionalmente.

Em seu discurso, o presidente estadual, Fábio Santos, destacou da importância de trazermos e fazermos crescer a militância e a participação dentro dos movimentos partidário._DSC6366

Fábio Santos fez um discurso coeso que trouxe uma realidade mais próxima à sociedade atual, houve uma significante evolução no relacionamento com os coordenadores, a orientação foi para que as atitudes de cada executiva municipal levem em conta o bem do povo Paranaense: “Nosso partido precisa fazer a diferença, não queremos ser melhores que os outros, mas queremos ser diferentes do que tem sido proposto e mudar a história política do nosso Estado” completou.

A importância de fazer o PRB Paraná crescer no pleito deste ano, também foi explanada pelo presidente. A meta já está traçada, e os presidente municipais devem se esforçar ao máximo para cumpri-las, construindo uma chapa forte e com chances de vitória. O resultado dessa eleição é fundamental para que o PRB alcance o planejamento de longo prazo e assim possa consequentemente aumentar cada vez mais seu quadro de filiados e representantes não só nas esferas municipais e estaduais, mas também na esfera federal onde o PRB vem se consolidando cada vez mais, expandindo sua representação na Câmara e assumindo postos importantes no governo.

Assuntos internos também foram discutidos, mostrando a importância do funcionamento efetivo das Executivas. As orientações Administrativas, Financeiras e principalmente jurídicas, nas mudanças da Lei dos Partidos Políticos e Código Eleitoral, foram a base da primeira etapa do encontro.

_DSC6240 _DSC6273
_DSC6341 DSC9108

Confira todas as fotos na galeria do PRB Paraná

Texto: Ascom PRB Paraná
Fotos: Derli Junior/Alaor Oliveira

‘Clebão’ será empossado hoje como vereador em Umuarama

Depois de muita especulação sobre quem assumiria no lugar do vereador Hemerson Yokota (PR), afastado pela Justiça das funções na Câmara Municipal de Umuarama desde o último dia 23 de dezembro, finalmente a Justiça Eleitoral deu uma luz a questão. No final da tarde de ontem, foi anunciado que em assume a cadeira no legislativo é o vendedor Cleber Marcos Nogueira, 36 anos, o Clebão.
Nas fileiras do PRB – Partido Republicano Brasileiro, Clebão será o segundo vereador da legenda, que já conta com Fernando Galmassi. Eleito na Coligação ‘Todos por Umuarama’ (PRB/PR/DEM/PSL), o novo vereador sabe que o tempo é curto, pois tem somente um ano de mandato, mas espera poder contribuir e pretende deixar a sua marca e já avisou: “vou concorrer novamente nas eleições deste ano”.
O vendedor disse que “quando acabou a eleição não imaginei que isso poderia acontecer. Tem coisas que vêm somente pela mão Divina e não pelas mãos dos homens”, disse sorridente.

E Clebão está certo. Ele é um homem de sorte. Só irá assumir a cadeira na Câmara porque os quatro primeiros suplentes mudaram de partido. A Justiça entendeu que como saíram do partido na qual foram eleitos, cometeram infidelidade partidária, e não seria justo assumirem o cargo. O entendimento da Justiça é que a vaga é da coligação e não do candidato ou do partido.
Com isso, os 615 votos obtidos por Clebão foram suficientes para desbancar quem obteve votação mais expressiva, como o primeiro suplente, Noel do Pão; o segundo suplente, Jeferson Ferreira, Jefinho do Esporte; André do Tarumã e Bernadete Dell Mônaco Avellar.
O ingresso de Clebão não deve significar modificações na divisão política que há dentro da Câmara. O novo vereador deverá manter a posição de seu partido e fazer parte da base da situação, liderada pelo presidente da Casa, Marcelo Nelli (Solidariedade).
Clebão tomará posse às 9 horas de hoje em cerimônia na Câmara de Vereadores. Ele assume a cadeira deixada por Hemerson Yokota, afastado pela Justiça por tempo indeterminado das funções de vereador depois de ter sido preso em flagrante com R$ 20 mil sob a acusação de cobrar propina para facilitar o trâmite de projeto de lei de doação de terrenos para um empresário local. Yokota foi o vereador eleito com mais votos. Foram 2.309 eleitores que confiaram no parlamentar.

O terceiro de quatro filhos, Cleber Marcos Nogueira, 36 anos, é casado há quinze anos e tem duas filhas, de onze e cinco anos. Trabalha há doze na empresa Armazém dos Pneus e disse que espera continuar na empresa. Ao ser questionado sobre o que é mais importante, foi rápido e seguro ao responder o ‘pai’, mas a lembrança de ‘seo’ Anízio Nogueira, foi suficiente para emocionar Clebão. “Ele faleceu há um ano e foi justo em um dia 19, como hoje”, revelou.

Republicanos se unem contra preços altos das passagens aéreas

Brasília (DF) – A Comissão de Defesa do Consumidor (CDC), o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vão fiscalizar as ações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de acompanhamento dos preços das passagens aéreas no Brasil, em especial na Região Norte. Foi o que decidiu a CDC ao aprovar a Proposta de Fiscalização e Controle (55/15), dos deputados republicanos Alan Rick (AC) e Vinícius Carvalho (SP), relatada pelo líder do PRB na Câmara, deputado federal Celso Russomanno (SP).

“Embora a lei determine o regime de liberdade tarifária para os preços, essa liberdade não pode ser considerada absoluta. É dever do Estado assegurar a existência dos mecanismos necessários à proteção do consumidor do serviço de transporte aéreo, em consonância com os preceitos da Constituição”, argumentou Russomanno.

A Anac e as companhias aéreas argumentam que o custo das passagens caiu, mas não é o que ocorre na prática, conforme ressaltou o deputado Alan Rick. “Voar para o exterior é mais barato do que voar do Acre para a capital federal. Uma passagem de ida e volta da região para o restante do país pode chegar 3.400 reais. A diferença entre o preço do quilômetro-voado dessa região para o restante do país pode chegar a 266 %”, disse.

De acordo com o deputado Celso Russomanno, a reclamação mais recorrente dos consumidores é sobre o alto valor das multas aplicadas aos cancelamentos de viagens. “Um dos casos trazidos à CDC foi de um consumidor que pagou 285 reais por uma passagem e, após cancelada a viagem, a devolução oferecida pela companhia aérea foi de seis reais. Ou seja, estamos lidando com as multas exorbitantes, chegando a quase 1000% do valor inicial do ticket. Não podemos admitir isso”, criticou.

O líder do PRB chama atenção ao artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor, que concede ao consumidor um prazo de sete dias para desistência das compras que forem feitas por meio da internet, telefone ou domicílio. No entanto, o mesmo não tem sido aplicado às passagens porque as companhias aéreas se recusam a cumprir o que a lei estabelece. “O consumidor fica impossibilidade de transferir a passagem, cancelar o ticket e ainda tem negado o direito de arrependimento garantido pelo CDC”, acrescentou.

Texto: Fernanda Cunha / Ascom – Liderança do PRB
Foto: Douglas Gomes / Ascom – Liderança do PRB

Mensagem da Semana: ‘Brasil corre contra o tempo’

Olá republicanos!

O Brasil perdeu nos últimos 12 meses 1,2 milhão de postos de trabalho formais. É o pior resultado do país desde 1992, dizem especialistas. A inflação pode bater dois dígitos em breve e o fim de ano deve ser magro para uma boa parcela da população. Verdadeiro retrocesso.

A crise econômica tem diversos elementos. Temos um governo que gastou mais do que deveria e não agiu para reverter o desastre, a desaceleração do consumo, a alta dos juros, da energia e dos combustíveis, sem contar a corrupção que sangrou a Petrobras e outros órgãos.

Há um plano em curso, encabeçado pelo Ministério da Fazenda, que pretende contornar essa curva descendente até meados de 2016. Diversos economistas, entretanto, afirmam que a situação é mais delicada do que parece. Portanto, o ano que vem deve ser tão ou mais duro que 2015.

Somado a isso temos uma crise política na qual as forças que comandam o país estão metidas até o pescoço. Esse imbróglio envolvendo, entre outras coisas, a abertura de um eventual pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff é um elemento a mais de instabilidade.

A situação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), denunciado no Conselho de Ética por ter mentido sobre eventual conta bancária secreta no exterior, também contribui decisivamente no contexto. O país acaba por ficar em segundo plano.

Temos pouco menos de um mês antes do recesso parlamentar no Brasil. Há quem esteja na torcida para o ano legislativo acabar logo, outros, porém, preocupam-se com o fato desses assuntos serem cozidos em fogo baixo e empurrados para frente.

Embora o Congresso tenha feito sua parte ao votar para impedir novos gastos e um peso maior ao Orçamento, as questões políticas não resolvidas tendem a piorar o que já é ruim. A classe política precisar dar uma resposta ao povo brasileiro. Mais do que isso: precisa dar alguma esperança.

Há ainda algumas semanas para isso.

Boa semana a todos.

Marcos Pereira – presidente nacional do PRB

Foto – Douglas Gomes – Liderança do PRB

Juventude do PRB realiza evento em Londrina

A ala jovem do Partido Republicano Brasileiro, denominada de PRB Juventude, realizou no último sábado (29) em Londrina um grande evento que contou com mais de 60 pessoas presentes e lotou a sala de reuniões de um dos hotéis da cidade.

Houve a cerimônia de posse do coordenador do PRB Juventude em Londrina, o jornalista Rafael Morientes, que a partir de agora comanda a ala jovem do partido na cidade, com a perspectiva de realizar um trabalho de reerguimento e crescimento da sigla, o que já vêm ocorrendo em outras regiões do Paraná e também em várias cidades do país, com filiações de novas lideranças, pessoas com potencial para fazer também entre os jovens com que o partido possa se preparar da melhor forma possível já para as eleições futuras.

Diversos membros e lideranças marcaram presença, entre eles o coordenador estadual do PRB Juventude, Carlos Gonzales, o coordenador nacional, Renato Junqueira, o vereador de Londrina Emanoel Gomes, vereador de Curitiba, Valdemir Soares, além da coordenadora estadual do PRB Mulher, Alessandra Soares.

O evento, coroado de muito sucesso marca uma nova etapa dentro do trabalho que está sendo realizado com todas as alas do partido, arregimentando e preparando futuros líderes para realizar a grande meta do presidente estadual Fábio Santos de tornar o PRB em pouco tempo um dos grandes partidos políticos do estado do Paraná.

O polêmico salário dos vereadores

Sinceramente, acho uma grande besteira e totalmente sem sentido essa polêmica criada em torno dos salários dos vereadores que começou com a manifestação de uma senhora em Santo Antônio da Platina, no norte pioneiro e se alastra com uma velocidade impressionante aqui no Paraná.

Em várias cidades do interior do Estado, movimentos foram criados no sentido de pressionar os vereadores a reduzirem seus salários, diminuindo em muito ou até quase nada os seus vencimentos, na minha opinião uma atitude sem sentido por parte dos manifestantes, pois os senhores edis foram eleitos pela população de suas cidades e com os salários pré- determinados o que deveria ser de conhecimento de quem votou.

Neste momento triste que o país atravessa com uma corrupção e roubalheira nunca antes vistas, pergunto porque a população ao invés de se preocupar com o salários dos vereadores eleitos por ela mesma não se rebela contra a corrupção, contra os centenas de políticos e empresários que ficaram bilionários às custas do roubo do dinheiro público, com alguns poucos deles presos, e a grande maioria por aí, solta e usufruindo de tudo que roubou.

Por que a comunidade unida, não se rebela contra as péssimas condições do atendimento na saúde pública, o transporte coletivo cada vez pior, a falta de moradia digna, os baixos salários pagos para algumas categorias e o desrespeito de que somos vítimas todos os dias por não termos nosso direito de cidadão respeitados.

Concordo que em alguns municípios possam os salários terem um peso maior pelo tamanho do município e pelo número reduzido de sessões que as Câmaras Municipais realizam semanalmente, mas aqui mesmo em Curitiba e no Paraná, devem existir milhares de servidores públicos que ganham infinitamente mais que um vereador, e contra isso porque a população não se revolta?

Não tenho procuração nenhuma para defender os vereadores mas acho que no momento, existem coisas muito mais sérias para que nos preocupemos do que com os salários de quem foi eleito pelo voto popular.

Antônio Carlos Ribas
Jornalista
foto: CMC/divulgação

1 2 3