Dia Nacional de Combate ao Câncer

As segunda principal causa de mortes no Brasil, é o câncer; perde apenas para as doenças cardiovasculares. De acordo com especialistas, os números de óbitos pela doença podem ser reduzidos com o diagnóstico precoce. E para conscientização e alerta à população para adoção de medidas preventivas o Ministério da Saúde instituiu o Dia Nacional de Combate ao Câncer – 27 de novembro.

Na ocasião ocorrem diversas campanhas educativas sobre os vários tipos de câncer, assim como as formas de tentar regredir o avanço da doença. No Brasil e no mundo é cada vez maior o número de pacientes acometidos pela doença, tendo como agravantes dentre os fatores de risco hábitos de vida pouco saudáveis. Por isso, estima-se que o número de casos da doença poderá aumentar nas próximas décadas.

Os principais tipos de câncer que atingem a população brasileira são os de pele, próstata, mama, traqueia, brônquios e pulmão, cólon e reto. Entre o sexo feminino, o principal causador de mortes é o câncer de mama. Já nos homens, o câncer de pulmão é o maior responsável pelos óbitos.

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), no Rio de Janeiro, sugere uma lista de ações que podem ajudar a evitar essas doenças:

– Não fumar. O cigarro possui substâncias tóxicas e cancerígenas;

– Evitar bebidas alcoólicas. O álcool está relacionado com câncer principalmente na região da boca e esôfago;

– Alimentar-se bem. Incluir nas refeições vegetais e evitar alimentos fritos, gordurosos e a ingestão de carne em excesso;

– Praticar atividades físicas. Pelo menos 30 minutos de exercícios todos os dias melhoram a qualidade de vida e protege contra várias doenças;

– Evitar a exposição ao sol nos períodos entre 10h e 16h e proteger-se com filtro solar;

– Realizar exame de sangue oculto nas fezes após os 50 anos. O exame pode ajudar a diagnosticar o câncer colorretal.

Prevenção ainda é o melhor remédio!

Frota da saúde já chega a oito veículos para simples remoção

O vereador de Ponta Grossa, Luiz Bertoldo(PRB), acompanhou nesta segunda-feira (6), na Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a entrega de mais uma nova ambulância para população ponta-grossense. O veículo foi disponibilizado pelo estado.
“Esse veículo é muito importante para resgate e atendimento da população. Temos uma grande responsabilidade com a comunidade”, comenta o prefeito Marcelo Rangel.
A nova ambulância servirá para transporte ‘tipo A’ – simples remoção. Elas irão fazer o transporte de pacientes do município para capital e interior do estado.
“A ambulância é moderna e veio para completar e iniciar a substituição da frota que temos”, ressalta o superintendente da Saúde, Luiz Antonio Delgobo.
Participaram da entrega das ambulâncias a Chefe da 3ª Regional de Saúde, Scheila Mainardes, o presidente da Câmara Municipal de Ponta Grossa, Sebastião Mainardes, o vereador, Isaias Salustiano e demais autoridades.

Texto e Foto: Prefeitura Ponta Grosa
Edição: ASCOM PRB Paraná

Valdemir acompanha explicações do Sec. de Saúde sobre morte em frente à UPA e pede mais funcionários

O vereador Valdemir Soares (PRB) compõe a Comissão de Saúde e participou com os demais integrantes da reunião com o secretário municipal de Saúde, Adriano Massuda, na Câmara Municipal nesta terça-feira (30). O assunto do encontro foi a investigação aberta pela Prefeitura de Curitiba sobre a morte de Maria da Luz das Chagas dos Santos, do lado de fora da UPA Fazendinha, no último dia 23 de junho.

A comissão montada para apurar o caso, composta pelos médicos Gerson Zafalon Martins e Petersom Anderson de Souza e pelas enfermeiras Giovana Fratin e Ester do Nascimento Ribas, compareceu ao encontro no Legislativo e atualizou o andamento da investigação. “Somos uma comissão preliminar, cujas respostas depois poderão embasar outros procedimentos, dos conselhos profissionais, se for constatada infração ética, do Ministério Público. Não pode ter prejulgamento”, explicou Martins, que preside a apuração.

“Temos um prazo de 30 dias para conclusão nosso trabalho, mas esperamos concluí-lo antes dessa data limite, antes do final de julho. Já estudamos os documentos, o prontuário médico da paciente, e começamos a ouvir os funcionários da Unidade de Pronto Atendimento (UPA)”, adiantou o presidente da comissão de apuração preliminar. “É importante frisar que não se trata de uma sindicância, que é outro procedimento administrativo, que envolveria a Procuradoria-Geral do Município, e que se for ocorrer é posterior ao trabalho dessa comissão”, reforçou Massuda.

“As ações administrativas foram tomadas”, elogiou Valdemir Soares, “e consolar o coração de quem perde um ente querido é difícil”. “Agora é nossa obrigação pedir que a secretaria municipal de Saúde reforce o número de profissionais nas unidades”, completou. Ele também questionou o procedimento de triagem nas UPAs, defendido por Massuda por ser um sistema utilizado internacionalmente. “Não podemos generalizar a situação, pois isso sobrecarrega os trabalhadores da Saúde. O atendimento de urgência e emergência já é tenso, pela natureza da atividade”, pediu o secretário da Saúde.

“Nossa rede de atenção à Saúde realiza 360 mil consultas médicas por mês”, enumerou Massuda, “então temos que cuidar também desses funcionários e não desacreditar o trabalho”. Ele reforçou que as pessoas relacionadas diretamente ao falecimento de Maria dos Santos foram afastadas da UPA Fazendinha, assumindo funções administrativas, e que problemas no fluxo de atendimentos serão apurados e corrigidos.

Com Câmara Municipal de Curitiba

Foto: Chico Camargo / CMC

Serviços da saúde na UTI também na questão moral

Algumas notícias veiculadas nos últimos dias pela imprensa relacionadas à saúde, nos mostram de forma triste e lamentável, que a falta de vergonha, de caráter e de um mínimo zelo pela coisa pública, chegou também a este segmento.
Na semana passada, numa UPA, unidade que deveria ser de pronto atendimento como o próprio nome diz, localizada no bairro da Fazendinha aqui em Curitiba, uma mulher de 39 anos morreu por falta de atendimento, pois segundo as pessoas que estavam atendendo naquele momento na unidade, disseram que a mulher deveria esperar a sua vez pois havia mais de 50 pessoas a sua frente, isso apesar de estar passando muito mal, uma falta de consciência e de humanidade inacreditável.
Em Londrina, também no último final de semana, uma unidade de saúde, ficou fechada das 11 ás 14 horas, pois no local estava sendo realizada uma festa, conhecida como “ chá de fraldas”, com a servidora grávida ofertando doces refrigerantes e guloseimas em geral aos seus colegas, e por isso o fechamento da unidade por 3 horas, deixando na mão quem precisou de atendimento durante esse período.
E ontem, a imprensa noticiou que o vice-reitor do Hospital de Clínicas de Curitiba, faltou ao seu trabalho nos últimos 10 meses em nada mais nada menos que 29 dias, recebendo normalmente seu salário, que aliás não deve ser baixo. Isso sem contar os 10 médicos do mesmo HC afastados pela Polícia Federal por não cumprirem horário e largar o expediente para atenderem em seus consultórios particulares.

A situação da saúde no país já anda pela hora da morte, a presidente Dilma Rousseff cortou bilhões de reais da verba destinada à saúde, diminuindo ainda mais os já parcos recursos destinados ao setor. Se já não bastasse tudo isso que vivemos em outros segmentos com uma roubalheira e corrupção nunca antes vistos neste país, ainda somos agora obrigados a conviver com o descaso e a falta de vergonha também na saúde. Lamentável.

Antônio Carlos Ribas
Jornalista